Tag Archives: grafite

Mini Graffiti

Quando vim morar na Lapa, uma das primeiras coisas que chamou a minha atenção foi o Barbudinho, personagem grafitado por Fernando Sawaya, o Cazé, que aparece em diversas situações inusitadas pela região central do Rio. A partir de então, fui entendendo o traço dele e reconhecendo outros dos seus personagens por aí, todos com uma pegada bem humorada, uma dose de crítica e protesto, mas sempre de forma amável e gentil.

barbudinho
painel gigante 1
painel gigante 2
Até o dia que o 8-bitch foi convidado para participar da Oficina de Grafite e Arte Urbana que ele promove no Morro da Casa Branca, na Tijuca, bairro onde os dois maiores paineis de grafite são assinados por Cazé (um de 8 metros de altura por 10 de largura e outro de 6 metros de altura e 4 de largura). Foi quando ficamos sabendo de uma exposição genial que ele estava organizando: o “Mini Graffiti”.

A ideia surgiu durante outra exposição com coletivos e artistas urbanos que também rolou na Cazota, uma produtora com um espaço super bacana e uma vontade grande de movimentar o seu entorno. “A obra criada pelo Efixis chamou muita atenção. Era um pequeno muro com mini tijolos que nos fez decidir pensar em algo maior que sustentasse essa ideia e pudesse trazer uma nova perspectiva de suporte.”

6U4A9506
6U4A9507
6U4A9509
6U4A9410
Cazé então reuniu outros seis artistas, em uma curadoria com total liberdade criativa e ênfase na produção independente. Bella, Biofa, Birita, Gloye, Nobã e Pakato, além dos próprios Cazé e Efixis, usaram os murinhos de 25cm x 15cm como um recorte da cidade. “A proposta é que o espectador possa levar o grafite para casa e reflita sobre o que é o espaço público.”

O muro: tijolo, massa e tinta. Esse é o principal suporte do grafite e é isso que quem passar pela Mini Graffitti vai ver!

SERVIÇO
Data abertura: 17 de setembro (quinta – feira), das 17h às 22h
Período de exposição: 17 a 20 de setembro
Horário de visitação: sexta a domingo das 14h às 20h
Endereço: Av. Beira Mar 406, sala 405 – Centro – RJ
Telefone: 21 99972-1642 // 21 2524-8592
Entrada Gratuita/Classificação livre

Mais um MOF para a conta

Fim de ano tem dessas. A gente para, olha pra trás, faz um balanço. Aí, olha pra frente, faz planos. Há nove anos, essa história rola com o Meeting of Favela (MOF). O que hoje tornou-se o maior evento voluntário de arte urbana do mundo, começou em 2006 pra tirar uma onda com o Meeting of Styles (MOS), um encontro internacional de grafite aberto apenas a convidados, que aconteceu no Rio naquele ano. No MOF, qualquer um pode chegar. …Continue lendo>>>

O muro é de quem?

Pinta, apaga, passa por cima, apaga, pinta, passa por cima ad infinitum. Desde que a pichação é pichação, o grafite é grafite, a arte urbana é arte urbana a batalha é estilo War. A missão é conquistar territórios, a estratégia é por conta e risco do muro, o tabuleiro é a rua e as peças são o estilo e o spray. Defesa e ataque dependem de reputação e ousadia – e é justamente aí onde mora a polêmica. Esta semana, a convite da curadoria da exposição Street Art – Um panorama urbano, vários artistas participantes da mostra deixaram seus registros pela cidade. Jef Aerosol esteve pintando o muro da Maison de France, no Centro, depois que o consulado francês disse que oui, pode pintar. Já o artista portugues MaisMenos pintou um muro que há anos era território conquistado pelos cariocas Marcelo Ment, Marcio SWK e Marcelo Eco. E foi na tsunami do facebook que o desabafo dos grafiteiros descontentes gerou um pressagio de “guerra fria”. …Continue lendo>>>

A primeira a gente nunca esquece

Com o objetivo de ocupar a cidade, seja com cultura, arte urbana, intervenções, música e diversão, a missão do coletivo SerHurbano é transformar o ambiente urbano em algo mais colorido, mágico e democrático. Mais que uma produtora de audiovisual, formamos uma rede de profissionais de diversas áreas na criação e curadoria de conteúdo colaborativo, criativo e inteligente para a Tv, Web, Cinema e desenvolvendo também soluções urbano artísticas e a elaboração e execução de projetos especiais. …Continue lendo>>>

O NAVIU que aportou na Zona Norte

Dos cartazes aos muros o que importa é pensar a importância particular de cada superfície, trabalhando diferentes linguagens, técnicas e texturas sobre ela.

Pensando no grafite como arte pública, o coletivo NAVIU tenta resignificar os espaços trazendo cores e mensagens para a cidade, na tentativa de deixá la menos cinza. …Continue lendo>>>